sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

«Ó DO LEME…!»

Ó do leme tem cautela!
Há baixios a aparecer!
Quero viver o meu sonho
antes de a lua esconder.

Copiei esta quadra de NO FIO DAS PALAVRAS de Artur Goulart (Velas – São Jorge, 2010) e a culpa não será só minha, também do autor do prefácio, Olegário Paz e como é natural o grande responsável não poderá deixar de ser o autor.
Voltar a ler, não apenas o primeiro, mas os três poemas alemães deste livro tão desejado e longamente esperado por amigos e eruditos da literatura açoriana. Porquê hoje? A resposta fica para o fim, mas tirada de outro poema, não destes.
Agora, do segundo poema destes três:

Menino de olhos transparentes
conheces o mar?
É um brinquedo imenso,
azul… verde… cinzento…
…………………………………….
onde os homens navegam
em barcos de verdade.

Não vou sair daqui sem antes copiar ainda a abertura do terceiro:

É como o nevoeiro
esta obsessão do ilhéu…

É bem verdade: o sal resiste às marés.
Há quantos anos - estes teus - o sal resiste?

Em ti menino ilhéu ainda resistindo o sal
ao tempo que apodrece o mantimento.
E o constante subir e baixar das marés.
Mar da Vida!

L. V.

1 comentário:

  1. Bravo L.V.!

    Para quem não sabe, o nosso blogger acaba de completar três quartos de século!

    Muitos parabéns!

    Miguel Ribeiro

    ResponderEliminar