domingo, 5 de junho de 2011

SILVA DUARTE: um poeta setubalense que…(4)

 

IM002688

EM LONGA VIDA  A DEDICAÇÃO NOTÁVEL A LETRAS E ARTES

IM001097

Uma página de TEMPO BARROCO,
outra obra inédita de Silva Duarte
 
               em nobres salões nas horas brilhantes dos formosos dias do século se encontraram com espelhos luzentes e mobiliário e louças de dourados primores vestidos e máscaras ricos exibindo com branco pó e arrebiques assim no século galante em triviais conversas risadas soantes e graciosos sorrisos assim os ouves com brinquedos gentis e prometidas carícias vozes alegres amor sempre definindo ainda que a morte grande temor lhes traga

Duas páginas de VÁRIAS, título igualmente inédito
*
versailles

               le visiteur qui arrive ne doit pas s’égarer se busca toda a majestática grandeza belas virtuosas passeiam pelos jardins as alegorias ricas a caridade a abundância a prudência a fidelidade le roi en pied revêtu d’un costume militaire amável sorridente á paz simbolizada não é horrível a guerra retratada… pois habitam os vastos jardins tristãos sátiros pescadores amores… le roi donnant à manger à ses animaux favoris

**
                                                             J’étais celui qui se promène
                                                              Le nez en l’air
                                                              Avec un chien le nez par terre
                                                                                                Paul Éluard
               um dia vieste e uma aliança se promoveu entre ti e mim que minhas vozes foram tecendo e teus olhos para mim volvidos acolhendo tempo depois estava a aliança firmada tornámo-nos sombras unidas o mesmo sol a aquecer-nos as vidas eras tu mais eu a aliança perdura mas estamos velhos a morte nos espera a morte animal igual mais cedo tu mais cedo eu

E, se me permitem, por último,
de O LIVRO DAS TUAS NAVEGAÇÕES – 7

estranho é tudo
na surta paisagem
para aquele que
súbito recolhe
o mistério da vida
no fogo disperso
da existência
e justo lhe parece
seu querer
puro e frio
nas vagas súbitas
do alto mar
onde ora vai

Uma homenagem e justa? Sem dúvida, neste dia dos 93 anos de Silva Duarte.
Mas também  uma tentativa da divulgação a que este velho livreiro continua a sentir-se obrigado.
L. V.

Sem comentários:

Enviar um comentário