sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Caderno de SIGNIFICADO - VII

Já veio o novo JL, mas a quinzena do anterior não me trouxe de ninguém um eco que esperei. E na mesma semana em que o JL também Os Meus Livros e também a Ler me trouxeram muito para «significado» no caderno. E ainda houve…

JL
«Com a integração  da BN, da política do livro e dos arquivos no mesmo organismo, o que se pode ganhar?»
FRANCISCO JOSÉ VIEGAS
«Ganha-se a existência de uma política para o Livro até aqui inexistente e que é prioridade para este Governo. Desde o reativar da rede de bibliotecas até aos apoios ao Livro e à tradução, esta integração na direção-geral do Livro, Bibliotecas e Arquivos permitirá reconstruir o que foi destruído e iniciar projetos indispensáveis orientados para a leitura e o Livro.»

E se desse para comentar e talvez até…?
JL
«Em que contexto(…)?» 
MANUEL ROSA
«(…) estamos a perder a capacidade de lidar com a forma como se comercializa o livro hoje em dia.»
JL
«O que mudou?»
MANUEL ROSA
«Tudo, sobretudo no mercado livreiro.»

Tudo, tudo?
Acho que não. E as doenças incuráveis desse nosso mercado livreiro? Se mudaram, olha, estava distraído a ler
«O Monge e o Passarinho» do Padre Manuel Bernardes.
Além de que o que é «inexistente» não pode mudar. Ou será que sim, se partirmos do princípio de que  já tudo pode acontecer? Será que aquilo que os livreiros entendem como
«projectos indispensáveis orientados para a leitura e o Livro» podem ao menos ser sonhados?
L. V.

Sem comentários:

Enviar um comentário