quarta-feira, 3 de outubro de 2012

LÊ-SE CADA UMA & LÊ CADA UM

[clip_image002_thumb13.jpg]              A CHAVE NA PORTA           
Não se vai por um «escreve-se cada uma». Prefere-se duplicar o «lê» para libertar o leitor de citações. Também se poderá citar, mas em excepção.
Que o argumento de autoridade não convença e só em seu território governe. E que assim o leitor se sinta à vontade como autor do que lê. Único autor em seu momento de ler. O artista morre. A sua arte perdura porque quem a está vivendo lhe dá a sua vida.

1

Se não fossem as boas leituras com que me entretenho, creio que dava em idiota.

 

2

Ao longo da vida, a nossa identidade vai-se alargando (deve alargar-se) para o universal. Mas todo o universal tem o seu chão. E eis aí, em resumo, não a chave, mas o mistério da identidade.

 

3

«Porque não me tiram os olhos, se nem para ler mos deixam?» Quando o fecharam e apagaram a luz, o grito fez vibrar as grossas paredes como se assustadas Mas só as paredes grossas o ouviram e nem elas o entenderam.

 

1 comentário:

  1. Tenho a impressão de que conheço o autor da segunda frase.
    o.

    ResponderEliminar