terça-feira, 23 de outubro de 2012

SILVA DUARTE: Setúbal, 5. Junho.1918 - Würzburg, 23. Outubro. 2011

  16 
IM001094
I sobre os campos de neve tudo se manteve branco silente com tristeza mitológica entre nuvens um sol afundou-se aos teus olhos no horizonte e o mar brilhou vivamente dobrando a sua intranquilidade e tudo ficou longe e perto a verter seu destino marinho
SILVA DUARTE
Poema do conjunto inédito
«DO LIVRO DAS TUAS NAVEGAÇÕES – 4»
II
Não insistas propriamente.
Nem mesmo no Outono
os dias escuros são os dias todos.
Oferece todavia  as resistências devidas
ao esquecimento do devido respeito
pelos teus mestres amigos companheiros de caminho
que partiram antes de ti
deixando em ti a memória viva do vivido e do feito.
Não só sentirás a gratidão pelas riquezas que te legaram
Assume também a comprometida responsabilidade
de legar esses legados a quem saiba reconhecer-lhes
a preciosidade que em teu apreço transparece.
III
Vens hoje a reler Do Livro das Navegações, de seus cadernos de 1 a 7, alguns poemas cumpridos em cultivo de uma sensibilidade segura em ofício de cultivar as artes, por delas e nelas viver. João José Pereira da Silva Duarte, que na Alemanha foi fundador, em Würzburg, da Sociedade Íbero-Alemã, nesses país e cidade viveu uma longa carreira de ensino universitário, ao mesmo tempo que ia construindo, com suas traduções,  um verdadeiro monumento às literaturas escandinavas. As Histórias e Contos Completos de H. C. Andersen sendo o culminar grandioso desse mesmo monumento! Desafiado aos oitenta e dois anos a cumprir esse obséquio à língua portuguesa, temeu já não ser capaz de tal feito, mas a paixão venceu o temor e a obra aí está. Depois, não antes, só depois, alguém poderá vir.
IV
Do Livro das Navegações, de seus cadernos de 1 a 7, o que mais leio é mar. Em Würzburg a geografia não te oferece o mar. Mas os Açores, onde Silva Duarte viveu nos anos da II Guerra Mundial, e Setúbal, onde nasceu, ofereceram-lhe muito dessa sua alma que tão marítima poesia criou. O estudo de uma poética do mar na obra de Silva Duarte, se um dia esta for publicada, vai ser uma autêntica boa surpresa para a literatura portuguesa.
R. V.

1 comentário:

  1. Na recém-inaugurada Casa da Cultura, em Setúbal, nos degraus de uma escada, há fotografias de personalidades ligadas à história e cultura de Setúbal. Bela e simpática ideia! Pena é que falte lá o Silva Duarte, poeta, pintor, professor, tradutor, andersenista!...

    ResponderEliminar