quarta-feira, 15 de maio de 2013

EM RISCOS… DE VEZ!

image

NEM A LUZ O SEGREDO


nem por sombras escolherei entre pontos e linhas

para significar o que em palavras não vem a significar-se

aceito-me em todas as geometrias que criaram mundos

 

digo isto para quando nem pensar nem sentir pretendam ir além

do limbo em que ficam entre nascer ou não

talvez num sensível receio de não encontrar a forma

que revele o indefinido em que se reconheçam como são

 

toda a gente sabe o que falta à luz

para iluminar o que invisível

nos espera na escura solidão

de uma alma fechada

mas ainda assim eu digo certo embora de que o não direi

porque a luz em si não se vê e donde vem pouco se sabe

e por isso benditos são

o sol dos nossos dias e as estrelas das nossas noites

que sempre venceram as trevas do nosso entendimento

 

vou chamar palavra ou melodia ao que falta à luz?

não bastará um gesto ou um olhar?

um traço em dispersas continuidades

ou um ponto que não se reduza a zero?

 

não é de retratos que te quero falar

nem por sombras a luz que venha de pontos ou linhas

a significar o que em palavras não vem ao visível da cela que sou

pretenderá retratar seja quem for ou o que for

 

mesmo que te traduzisse em palavras de poema

a poesia que neste momento está jorrando

da má vlast de smetana para a concha da minha outra mão

a que para tanto dispensei desta escrita

(oh! minha terra! assim tão bela

mesmo sem palavra terra ou vlast!)

 

por tudo te pediria que visses para além

das traduções em palavras riscos melodias ou manchas de cor

o que em tua alma fechada só tu podes ver

porque só tu conheces em ti por onde a luz nascendo de um olhar

pode atingir-te em respeito ou paixão

talvez em flor de tristezas ou atenta simpatia

 

e agora que te disse o que não queria que lesses em quanto

não é luz interior a teu pessoal sentir e entender

espero que queiras revelar-me o segredo

que para além de todas as teorias que lhes aplique

as minhas próprias palavras e riscos e gestos

sempre me escondem
sempre me escondem

sempre escondem no infindo invisível de mim

 

R. V.

1 comentário:

  1. Uma pessoa como o RV, que sempre lutou para descobrir e revelar aos outros o mistério das coisas...
    Quem me dera poder mostrar-lhe os segredos escondidos! Mas é uma busca complicada.Estou a contar consigo para isso. E já me ensinou tanto!
    As palavras têm um poder enorme, mas não o têm todo. Se calhar, ainda bem. Ou não!

    ResponderEliminar